Do quarto escuro ao jardim

O amanhecer é como um soco no estômago. O gosto amargo me vem à boca, a garganta retesada, tensionada das palavras não ditas e que nunca serão, pois não há ninguém para escutá-las. Ameaço levantar, mas a cabeça explode numa dor agonizante, a dor dos pensamentos que vem à tona pela manhã. Nada o que … Continue lendo Do quarto escuro ao jardim